Prince of Persia – um clássico que brilhou no Super Nintendo

Publicado: 27/09/2011 por Márcio Alexsandro Pacheco em Análises, Super Nintendo
Tags:, ,

Em 2010 “Prince of Persia” (versão moderna) ganhou uma adaptação para as telas do cinema que fez um sucesso razoável, agradando a uns e desagradando outros. Por isso, vamos relembrar de um dos melhores jogos do herói criado por Jordan Mechner em 1989. Mas não estamos falando dos últimos títulos lançados, e sim claro da versão para Super Nintendo, lançada em 1992.

Nunca ouviu falar de Prince of Persia? Ou se ouviu foi apenas dos jogos mais recentes e não faz a mínima idéia do valor histórico deste game? Vergonhoso, mas não se preocupe, faremos um breve resumo para você ficar por dentro. Como já dito, foi lançado em 1989  originalmente para o computador Apple II  e logo de cara teve um grande impacto e repercussão no mundo dos games, por apresentar uma animação graciosa e realista dos personagens e uma ambientação cinematográfica nunca antes vista em um game.

Para conseguir esse realismo, Mechner estudou filmes de seu irmão mais novo, David, correndo e pulando com roupas brancas, para assegurar que todos os movimentos parecessem reais. Antes de Prince, Mechner já havia lançado o game Karateka, que utilizava essas técnicas para captar os movimentos. Rapidamente Prince of Persia ganhou versões para diversas plataformas da época e foi um grande sucesso, que prendia o jogador em um labirinto com diversos “quebra-cabeças” e armadilhas mortais ao longo do caminho para salvar a princesa, com o tempo limitado de uma hora, passando por 12 fases. Prince of Persia era um game inovador, diferente de tudo que existia na época. O personagem principal não tinha super poderes e não usava armas ou bombas para salvar o dia, mas apenas uma espada velha que encontra pelo caminho. É você e seu personagem numa superação de obstáculos e desafios no tempo real de uma hora para encontrar a princesa.

Assim era a versão original de Prince of Persia e basicamente a mesma versão que outros consoles ganharam, com pequenas diferenças. Mas em 1992 foi lançada a versão para Super Nintendo, totalmente reformulada, agora com vinte fases, gráficos e cenários mais refinados e uma dificuldade insana, ótima para testar sua paciência. A boa notícia é que agora ao invés de uma hora, você tem duas horas para quebrar a cabeça. Prince of Persia ficou conhecido pela sua alta dificuldade, a precisão de movimentos e claro, uma santa paciência dos jogadores. Quer saber mais? Continue conosco nessa retro-análise das arábias.

Prince of Persia: The Sands of Time é uma adaptação do game para as telas do cinema bancada pela Disney e filmada no Marrocos. A super produção é estrelada por Jake Gyllenhaal e Gemma Arteton, dirigido por Mike Newell (Harry Potter e o Cálice de Fogo) e o produtor Jerry Bruckheimer (trilogia Piratas do Caribe).

óh bela princesa, espere por mim

As 1001 Noites

Nossa aventura começa na Antiga Pérsia (hoje mais conhecida como Irã) em que o Sultão parte para uma guerra e deixa seu reinado aos cuidados do Grã-Vizir Jaffar, seu braço-direito. Sedento por poder, Jaffar aproveita a situação para assumir o lugar do soberano e corromper o reino com suas ambições. Para sacramentar sua posição como soberano, ele decide se casar com a filha do Sultão, a bela e solitária Princesa.

Porém a Princesa rejeita o Vizir, que não fica nada feliz e descobre que a mocinha na verdade está apaixonada por um jovem aventureiro. Jaffar ao saber disso, captura o infeliz e o joga nas profundezas da masmorra de seu palácio e lança um ultimato para a Princesa: “Case-se comigo ou morra”, tendo o prazo de duas horas para se decidir.

Enquanto isso nosso herói terá duas horas para percorrer um longo caminho até a princesa, enfrentando guardas, passando por armadilhas e vários desafios e ameças que irão dar muito trabalho ao jogador de primeira viagem e um verdadeiro desafio para os jogadores hardcore.

A história parece familiar ? Pois deveria, ela foi baseada no clássico da literatura Persa As Mil e uma Noites (e não na animação Aladdin da Disney!). A versão americana tem a parte da abertura em que o herói é torturado pelos guardas do palácio censurada, mas que pode ser conferida na versão japonesa.

“casa comigo ou vira comida de minhoca!”

O Game

Um dos grandes destaques de Prince of Persia para o console de 16 Bits da Nintendo são as animações do nosso herói, muito bem fluídas e variadas como no original, e os gráficos e cenários totalmente remodelados, que captam muito bem o clima das Aventuras das 1001 Noites. Já na primeira fase podemos notar e evolução do jogo se comparado com o original, agora apresentando um visual muito mais sobrio e detalhado. Todas as outras fases receberam esse acabamento mais refinado, e algumas fases apresentam áreas externas do castelo, para quebrar um pouco a rotina de tantos corredores.

A trilha sonora é muito boa, aproveitando bem as capacidades sonoras do Super Nintendo e apresentando melodias com aquela atmosfera árabe que se encaixam como uma luva com todo o restante do game. Melhor que isso só se tivesse uma gata dançando a dança do ventre ao som das músicas. O jogo também apresenta muitos efeitos sonoros competentes, como as guilhotinas, saltos, som das espadas e passos.

Quanto a jogabilidade, à primeira vista parece meio “entruncado”, mas nada que um pouco de treino não ajude você a dominar todos os comandos do personagem. Aproveite a primeira fase, ou jogue no modo de treino para praticar e evitar dores de cabeça em fases mais avançadas. Você pode estar pensando “Ah, duas horas pra terminar um game, vai ser moleza”, não se iluda, você morrerá várias vezes até descobrir a saída de cada fase. Pode acreditar, é pedreira pura que vai requisitar muito da sua dedicação e paciência. Se você estiver jogando no console mesmo, sem as mamatas de saves do emulador, prepare-se para um desafio dobrado, pois ao morrer terá que recomeçar TUDO de novo no nível que morreu. Sabe o que isso significa? Que você terá que matar novamente todos aqueles guardas chatos pelo caminho, dar aqueles saltos arriscados naqueles precipícios, fendas e espetos pelo chão, terá que manter a calma para passar aquelas malditas guilhotinas e tudo o mais que havia feito antes de morrer. Ah os bons e velhos tempos da época dos jogos desafiadores dos 16 Bits…

O game possui algumas cutscenes para ajudar a desenvolver a história, com um certo apelo cinematográfico, que não possuem diálogos, textos e nem nada. Em vez disso temos um cenário com retoques visuais e musicais e com os personagens fazendo gestos delicados ou bruscos, de tal maneira que não é necessário ouvir ou ler uma simples palavra para se entender o que está passando.

A ação do jogo se desenrola de maneira lenta, mesmo as partes em que você luta contra seus inimigos tem uma ação bastante limitada. Falando em combates, a maioria deles será contra os guardas do palácio e esqueletos, que além de te matar, servem também para atrasa-lo em sua busca. Durante suas lutas, você pode usar o cenário ao seu favor, empurrando seu oponente contra abismos, guilhotinas, espetos ou matá-lo em cima de um piso falso para acionar permanentemente alguma passagem.

Algumas fases são curtas, outras são bem longas, haverá momentos que você não saberá o que fazer, por isso explore todos os cantos, pisos e tetos, procure por passagens secretas e atalhos. Passar por 20 fases em menos de míseras duas horas pode parecer fácil para quem está acostumado com jogos lineares ou de plataformas, mas as incontáveis mortes que você sofrerá pelo caminho vão te fazer mudar de idéia rapidamente.

Algumas fases são verdadeiros labirintos complexos com vários quebra-cabeças que vão fazer você desejar que tivesse mais de duas horas para chegar até o fim. Como se não bastasse você ainda irá encontrar vários chefões pelo caminho, como o velho conhecido da versão original, o espadachim Gordão e o seu próprio Reflexo ou os novos como o Cavaleiro de Armadura e a Estátua de Seis Braços. Provavelmente em suas primeiras jogadas você irá extrapolar o tempo de duas horas, mas não se preocupe, você poderá continuar jogando, claro que quando chegar até onde a Princesa está, você não a encontrará, pois ela já foi executada. Você irá encontrar pelo caminho garrafas que podem recuperar sua energia ou aumentar seu medidor de energia, mas também há aquelas envenenadas, que invertem os comandos, que o fazem planar no ar e outros efeitos que podem ou não te ajudar.

Conclusão: Prince of Persia tem alguns pontos negativos, como as repetições visuais, a ausência de checkpoints, fazendo você jogar tudo novamente caso morra e a dificuldade insana que fará marmanjos chorarem como criancinhas diante de tal desafio. Por outro lado, Prince of Persia é um jogo fantástico, com um ótimo visual e animações excelentes para a época, uma trilha sonora totalmente de acordo com a atmosfera do jogo e com uma fórmula que irá proporcionar desafios inteligentes e surpresas que irá agradar aos jogadores mais exigentes e de bom gosto. Prince of Persia é o típico jogo que prova que os clássicos nunca morrem.

Nome: Prince of Persia

Sistema: Super Nintendo

Desenvolvedora: Broderbund

Ano de Lançamento: 1992

Nota da análise: 10/10

+ Gráficos melhorados, excelente animação
+ Novas fases e novos inimigos, boa trilha sonora
Dificuldade alta, requer bastante paciência por parte do jogador

“one hour to decide: marry me or die!”

Gostou do artigo? Não esqueça de clicar no botão “Like” abaixo :)

Anúncios
comentários
  1. helinux disse:

    um grande clássico dos pcs, video game e dos cinemas!!!!a primeira vez que eu joguei esse jogo foi no superfamicom na época, acho que em 93, faz tempo!!!!!Mas para mim ainda é um clássico que ainda brilha no meu snes!!!!bons tempos!!!!!músicas impecáveis e gráficos de primeira!!!!!

  2. Eduardo Farnezi disse:

    Clássico!
    Clássico!!
    Clássico!!!
    Não me canso de jogar esse game, mesmo já sabendo de cor e salteado dos caminhos que devo seguir, e de como resolver os puzzels.

    Jogar o original só me recorda de o quanto Prince of Persia Classic, para PSN e Live, apesar de possuir uma bela arte, é fraco.

  3. […] e uma narrativa em estilo cinematográfico (que lembra outros clássicos como “Karateka“  e “Prince of Persia“). “Out of This World” fez um grande sucesso na época, por apresentar uma proposta […]

  4. JCarlos01 disse:

    Eu tenho esse cartucho original e amo esse jogo eu duvido alguém a zerar esse jogo muitas pessoas tentarão e não conseguiram é só pra LIKE A BOSS a o recorde é de (53:32 min)

  5. Hokage Jose disse:

    Cara eu fico ate feliz com eu li eu tenho o cartucho japones original da epoca (ganhei ele 1993)

  6. anakin disse:

    ainda pretendo zerar esse jogo o maximo que conseguir foi chegar na 16 fase antes das duas horas acabar

  7. Anônimo disse:

    poxa joguei esse game no Super Nintendo quando era mais novo, tinha uns 14 anos… me amarrei nele a primeira vista, prendia muito minha atenção de tal meneira q meu coração acelerava de emoçãoo, a cada salto p tranpasar abismos e quando derrotava os chefões… jogo bem feito demais p aquela epoca, movimentos realistas, muitos detalhes, uma trilha sonora bacana demais principalmente a musica do estagioo final q vc da de cara com o vilão de toda o jogo e depois tem q lutar com ele, e uma historia bem interessante… gostava tanto q dei pulos de alegria quando resgatei a princesa emocionado rsrsrsrrsrs…

    tenho ele no pc… e de vez enquando embarco nessa aventura e soh sossego quando salvar a princesa rsrrssrsssr… foi um jogo revolucionario, mudou a historia de todos o rumo dos games… e tambem ensina uma lição, q por mais dificil q seja o obstaculo na sua vida, vc pode superalo… talvez se o games de hj fossem mais parecidos com oo game Prince of Persia do super nintendo, as crianÇas e os jovens de hj, teriam algo há mais em suas mentes e atitudes!!
    um dos melhores games q ja joguei na vida…
    adorei a materia… bem esplicada e com imagens do game q n tinha visto, a capa do game da versao em japones, bem interessante!!

    SHOW DE BOLA, PARABÉNS…

  8. Eduardo Marques disse:

    poxa joguei esse game no Super Nintendo quando era mais novo, tinha uns 14 anos… me amarrei nele a primeira vista, prendia muito minha atenção de tal meneira q meu coração acelerava de emoçãoo, a cada salto p tranpasar abismos e quando derrotava os chefões… jogo bem feito demais p aquela epoca, movimentos realistas, muitos detalhes, uma trilha sonora bacana demais principalmente a musica do estagioo final q vc da de cara com o vilão de toda o jogo e depois tem q lutar com ele, e uma historia bem interessante… gostava tanto q dei pulos de alegria quando resgatei a princesa emocionado rsrsrsrrsrs…

    tenho ele no pc… e de vez enquando embarco nessa aventura e soh sossego quando salvar a princesa rsrrssrsssr… foi um jogo revolucionario, mudou a historia de todos o rumo dos games… e tambem ensina uma lição, q por mais dificil q seja o obstaculo na sua vida, vc pode superalo… talvez se o games de hj fossem mais parecidos com oo game Prince of Persia do super nintendo, as crianÇas e os jovens de hj, teriam algo há mais em suas mentes e atitudes!!
    um dos melhores games q ja joguei na vida…
    adorei a materia… bem esplicada e com imagens do game q n tinha visto, a capa do game da versao em japones, bem interessante!!

    SHOW DE BOLA, PARABÉNS…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s