Valis III – o terceiro e incrível capítulo da saga da Guerreira Valis

Publicado: 01/06/2012 por Márcio Alexsandro Pacheco em Análises, Mega Drive
Tags:, , , , , , , , , , ,


Vamos agora falar de um dos meus jogos favoritos de todos os tempos e que me marcou quando eu ainda era um garotinho gamemaníaco. A série “Valis” surgiu em 1986  para os computadores MSX  e ganhou vários remakes para outros computadores e videogames da época (leia aqui análise do “Valis: The Fantasm Soldier“), não demorando muito para chamar a atenção dos gamers. Rapidamente o jogo ganhou a afeição de todos com a sua principal arma: o seu enredo. Com o sucesso, o game ganhou quatro continuações, todos tendo a trama (que eram todas interligadas) como ponto forte.

“Valis III” saiu em 1991 apenas para dois consoles: o PC Engine e o Mega Drive. A versão para PC Engine foi a primeira a sair e foi um grande sucesso entre os fãs da série e do console, sendo ele um dos melhores games para o PCE. Contava com gráficos bem feitos, músicas soberbas, muitas animações, três gatas como protagonistas, um vilão digno de estar no hall dos “vilões mais foda de todos os tempos”  e claro, uma trama envolvente maravilhosamente contada como em nenhum jogo de plataforma antes. E felizmente, a versão de Mega Drive chegou a um resultado muito próximo a do PCE, sendo ela também um grande jogo para o console.

  Curiosamente, “Valis III” foi o primeiro game da série a sair para o 16 Bits da Sega, os outros dois sairiam apenas depois. Valis III foi com certeza o game mais famoso e que mais fez sucesso da série, com seus personagens cativantes e grandes revelações e surpresas na história. Infelizmente a série morreu anos atrás, juntamente com os 16 Bits, mas ela continuará sempre viva na memória dos fãs.

as três estrelas do game

O Mundo de Valis  

No começo dos tempos, em tempos imemoriais, três mundos emergiram: Dreamland, Dark World e o mundo Humano. Em Dreamland, o reino de Vecanti foi governado por rainhas por centenas de anos. Já Dark World foi regido por anos por seis poderosos imperadores, os temíveis Dark Lords. O mundo Humano é esse mundo como nós o conhecemos. Desde o início, esses três mundos, juntamente com os já existentes mundos do Paraíso e seu vizinho Sutherland, coexistiam em perfeito equilíbrio de forças um com o outro… até agora.

Desde a sua criação, Dark World tem tido problemas. Uma fenda espacial, uma espécie de buraco negro, se abriu, e desde então tem lentamente absorvendo Dark World. O atual imperador, Glames, vendo que seu reino corria sério perigo de extinção, tentou diversas vezes conquistar o mundo de Dreamland, usando seus generais, Rogles e Megas (em “Valis I” e “Valis II” respectivamente).

o vilão Glames deseja possuir a espada Valis

Porém, ambos os seus generais falharam em conquistar Dreamland, derrotados por uma jovem empunhando uma espada mágica, e agora o próprio Glames decidiu invadir Dreamland e conquista-la antes que seu mundo seja destruído.

Há séculos atrás, no início dos tempos, duas poderosas espadas mágicas foram criadas: a espada Valis e a espada Leethus. Lendas contam que apenas os mais corajosos guerreiros são capazes de empunhar essas poderosas armas mágicas – e se uma única pessoa estiver de posse de ambas as espadas, o imenso poder delas juntas podem ser usado para terríveis destruições. O Dark Lord Glames possui a espada Leethus e a está usando para conquistar Dreamland. Somente a sua espada gêmea e aquela que a empunha, poderá evitar que Dreamland seja destruído.

Yuko Ahso, que até recentemente era uma estudante com uma vida normal, é a heroína da estória. Um dia, não há muito tempo atrás, ela descobriu que seu destino era o de se tornar uma guerreira no mundo conhecido como “Dreamland”.

Em “Valis I”, a Rainha Valia, governante de Dreamland, convocou Yuko do Mundo Humano para salvar seu reino que estava sendo ameaçado pelo terrível imperador Rogles. Valia contou a Yuko seu destino em se tornar a Guerreira Valis e de ser a detentora da espada sagrada. Yuko assumiu seu papel como guerreira e lutou para derrotar os planos de Rogles e restaurar a paz ao mundo de Dreamland. Infelizmente ela teve que lutar e matar a sua melhor amiga, Reiko, que estava sendo controlada pelos poderes sombrios de Rogles.

 

Yuko em Valis I

Entretanto, essa paz não duraria muito, e em “Valis II” Yuko retorna a Dreamland, onde ela teria que lutar como a Guerreira Valis mais uma vez. Desta vez, o imperador Megas havia invadido Dreamland e conquistado o castelo Vanity de Valia. Mas, com a sua espada mágica Valis, Yuko foi capaz de novamente acabar com os seus planos e evitar a invasão. Após a dura batalha final contra Megas, a rainha Valia faleceu. Antes disso, Yuko descobriu a verdade sobre o seu passado: ela era uma das filhas gêmeas de Valia. A princesa Valna, a sucessora de Valia ao trono de Dreamland, era na verdade irmã de Yuko, que descobrindo toda a história de sua verdadeira identidade, e pelos fortes sentimentos por perder a sua mãe, jurou sempre lutar pela paz de Dreamland.

cenas de Valis II

Essa é a história até o “Valis III”, que é mostrada na bela apresentação do jogo. É ou não é uma história FODÍSSIMA para um jogo de plataforma??? E isso que eu não entrei em todos os detalhes, isso foi uma versão bem resumida de toda a história.

Como já vimos então, Glames irá começar a conquista dos outros mundos, e para isso irá exterminar todos os seres que neles habitam. Ela já conquistou o mundo de Dreamland e aprisionou a princesa Valna em um cristal, uma forma de mostrar o seu poder ao povo de Dreamland. Você vai começar com Yuko correndo em cima dos prédios, ainda de pijama, atrás de Cham, a elfa que roubou a espada Valis para matar Glames e vingar a morte de seu pai. Monstros de Dark World já estão em nosso mundo, e cabe a Yuko impedir que os planos maléficos de Glames se realizem.

assista a introdução do game abaixo:

fofas até em versão SD

Gráficos 

“Valis III” não possui gráficos inovadores ou arrasadores, ele está no padrão dos jogos de plataforma da época. Mas são gráficos bem feitos e estão bem acima da média dos jogos que saíam em 1991, apesar de não usar toda a capacidade do console. A versão de Mega Drive conta ainda com gráficos um pouco melhores que a versão de PC Engine (possui mais efeitos parallax), mas que pode passar desapercebidos pelos menos atentos (porém a versão de PCE possui mais fases e mais animações, mas isso fica para outra review). Você irá percorrer cenários como os prédios de Tóquio, uma floresta sombria, castelos, o mundo mágico de Sutherland, o mundo gélido de Iceland e a batalha final contra Glames em sua torre, com o espaço como cenário de fundo para essa batalha titânica em que o destino do mundo ficará nas mãos do vencedor.

Todos esses cenários estão muito bem representados, além de ter uma grande variedade de inimigos, todos muito bem feitos e personalizados, mas com certeza quem rouba as cenas são os chefes de fase, os generais de Glames, todos muito bem personalizados, com características próprias e personalidade. O character designer, Osamu Nabashima, está de parabéns ao criar o visual de todos eles, com extrema perfeição e detalhismo. Você irá conhecer Garther, general mandado por Glames para acabar com Cham. Kolilamba, outro general que aprisionou Valna em um cristal. Leigh, a misteriosa vidente pessoal de Glames que lhe dirá o futuro e seus mais poderosos generais, Zalude e Asura.

 

Curta o belíssimo visual e encontre-se com o espírito de Reiko. Adiante Asura estará esperando

Nossas três heroínas também estão muito bem representadas, com um bom tamanho na tela, e cada uma com suas roupas, personalidade e golpes diferentes, enriquecendo em muito o desenvolvimento e diversão do jogo. Além delas temos a participação de Nizetti, um poderoso mago que é o único que sabe como liberar o poder máximo da espada Valis. Yuko irá precisar dele, pois a espada Leethus é muito mais poderosa que a Valis nesse momento.

Mas o que realmente rouba a cena são as animações de uma fase para outra. Para quem olha hoje pode achar as cenas ultrapassadas, mas para a época em que saiu era um colírio para os olhos. Tirando os jogos em CD do PCE e alguns jogos de computadores, era raro um videogame ter um game com tantas cenas de anime como tinha Valis. Graças a isso as personagens ganham mais “vida” e personalidade, você pode vê-las com detalhes, as expressões dos seus rostos, suas roupas, não se limitando apenas aos sprites do jogo, como na maioria dos jogos daquela época. Só a apresentação do jogo deve levar uns 3 minutos, apresentando Glames e seus planos e fazendo um flashback dos dois jogos anteriores. E para aqueles que reclamam dos jogos com péssimos finais, não se preocupe, Valis 3 tem um dos mais belos finais em um game, realmente vale a pena jogar para assistir. As animações sempre foram uma marca na registrada na série, todos os 4 games são recheados de cenas entre as fases.

E ainda para ajudar a contar a história, temos além das animações, pequenas conversas entre as personagens durante o jogo ou ainda você pode encontrar pessoas pelo caminho que lhe dirão o que está acontecendo.

Músicas 

Ah, as músicas… o que eu posso falar das músicas desse jogo? Desde o primeiro Valis, as músicas têm sido outro ponto forte do jogo. São músicas muito bem elaboradas, que captam a essência do jogo, combinando perfeitamente com a ação do jogo. É só você escutar o tema de abertura ou a música da primeira fase para ver que eu não estou brincando. Sem dúvida nenhuma, é uma das melhores trilhas sonoras para o Mega Drive, e se duvidar uma das melhores de todos os tempos para um game. A versão em CD para PCE possuí ótimas composições, mas a versão de Mega também está excelente, chegando até ao mesmo nível do CD. Os sons de efeitos especiais não contam com nenhuma novidade e são eficazes, funcionando em com o jogo. Ouçam exemplos da trilha sonora do game, e não deixem de conferir o tema de encerramento, um dos melhores já feitos, encerrando de forma magistral a trilogia da saga de Yuko como guerreira Valis. Peguem também a “Nigenkai”, a “prologue” e a “title”, umas das melhores!

Title Theme

Prologue

Stage 1

Stage 4

stage 7

Boss Theme

Ending Theme

Sword Evolution (remix)

01 – Mugenkai

02 – Gal Tower

03 – Glames Tower

04 – Iceland

05 – Makai

06 – Nilburn Road

07 – Sazar Land

08 – Nigenkai

09 – Boss

10 – Nizetti

11 – Cham Theme

12 – Glames

13 – Prologue

14 – Title

15 – Dejavu

16 – Ending Theme

Sword Evolution (remix)

Boss Theme (remix)

1st Trap (arranged)

The Battle of Valis Part 1 (arranged)

Valis 3 Video-clip

Asura, um dos chefões que Yuko terá que enfrentar

Jogabilidade 

Olha só que coisa boa, você tem a sua disposição três lindas garotas para “chutar a bunda” dos vilões! Você começa com Yuko e logo Cham, a elfa de olhos verdes, junta-se a guerreira Valis. Mas porque ficar com duas se você pode ter três? (sonho de muitos homens por aí, ehehe). A bela princesinha Valna, irmã de Yuko também se junta as outras duas e agora você tem o seu harém particular, podendo alternar para uma das garotas em qualquer momento do jogo.

Valis possui uma jogabilidade simples e eficaz, você não encontrará problemas em controlar Yuko, Cham ou Valna. Você poderá pular, dar rasteiras (muito úteis para atravessar buracos e plataformas), dar ataques normais e magias. E falando em magias, cada garota terá magias diferentes, que você poderá escolher entre três elementos: fogo, gelo e trovão. Por exemplo, com Yuko e com o elemento de Fogo, ela irá liberar uma magia chamada de “Fire Dagger”. Com Cham será “Fire Dragon” e com Valna “Fire Star”. Valna é quem possui as magias mais fortes, porém elas consomem mais do seu MP. Cham não possui mágicas tão fortes quanto as da Valna, mas também são eficientes. Além disso ela usa um chicote como arma, o que possibilita ataques a distância. Yuko é a mais equilibrada, suas magias não são tão fortes, mas consomem pouco MP podendo ser usadas várias vezes.

Yuko fazendo queda-livre em uma cena histórica e quebrando o cristal para salvar Valna.

Você possui uma barra de energia HP e uma de magia MP e além dos itens elementais para as magias, você terá outros itens para pegar, como recarregadores de MP, de HP e um power up para a sua arma que pode ser aumentado em até três vezes.

Como já dito, você terá 3 personagens diferentes para escolher: Yuko, que usa a espada Valis; Cham, a elfa renegada de Dark World que usa um chicote com pontas de aço na extremidade e Valna, a princesa de Dreamland que usa um cajado mágico. A diferença entre elas está em seu ataque e magias, nenhuma é mais rápida que a outra ou pula mais alto, nesse aspecto são todas iguais.

Você jogará com 3 Yukos diferentes. A primeira estará usando um pijama, já no inicio do jogo, em uma das cenas mais empolgantes e antológicas do mundo gamístico, em que ela pula de um prédio para pegar sua espada Valis em pleno ar! Ao pegar a espada ela recebe sua clássica armadura dourada (que a acompanha desde o primeiro jogo). Lá pela metade do game, você terá que ir ao encontro de Nizetti para ele liberar o poder total da sua espada. Ao fazer isso, sua armadura também se transforma, passando por modificações e resultando nessa gata sexy ae embaixo:

e ae, vai encarar?

“Valis III” vai te transportar por nove incríveis estágios, passando pela Terra, Dreamland e finalmente nos domínios de Glames em Dark World. Os cenários são longos e possuem design e desafios criativos e interessantes, com a ação rolando tanto na horizontal, como na vertical, além de ter vários buracos e plataformas móveis para pular (prepare-se para perder muitas vidas naquela maldita fase do gelo). Um jogo de plataforma oldschool clássico em todos os sentidos. Os chefes de fase são bem interessantes também, e a medida que se avança, vão ficando mais difíceis de se derrotar (mas nada muito complicado, a não ser pelo filho da p*&¨% do Glames, que é bastante difícil!).

O jogo possui uma história épica, e no final os Deuses clamam pela volta das espadas mágicas. Tendo derrotado Glames, Yuko fica responsável pelas poderosas armas e impedir que caiam em mãos erradas. Ela se despede de Valna e Cham e desaparece nas nuvens, uma última frase aparece: “Um mundo corrompido renasceu. Ninguém mais viu Yuko desde então… ninguém”.

as três heroínas encontrando Nizzeti

“Valis III” encerra com chave de ouro essa maravilhosa trilogia, com uma história épica maravilhosa, personagens cativantes, músicas inesquecíveis e momentos marcantes como a morte de Reiko nas mãos de Yuko, a descoberta da origem de Yuko e de sua irmã gêmea Valna e o surgimento de Glames. Uma saga que tem um “feeling” como poucos jogos possuem, que consegue emocionar os jogadores, fazendo-os sentir as mesmas emoções que a protagonista

Mas não pense que acabou! Apesar do mal ter desaparecido, de Yuko ter sumido com as duas espadas e de Valna e Cham tentarem reerguer Dreamland, aparentemente um final feliz e perfeito para essa trilogia, a Telenet nos faz uma surpresa e lança o quarto capítulo dessa saga, que certamente vai trazer surpresas (agradáveis para alguns, desagradáveis para outros) reveladoras. Quer saber o que aconteceu com Yuko e as espadas? Que nova ameaça poderá estar vindo agora? O que aconteceu com Valna e Cham? E com Yuko desaparecida, quem poderá lutar pela paz? Essas e outras respostas você vai ver em “Valis IV”, breve aqui no Canto Gamer!

 

 

 

 

 

 assista vídeo da primeira fase:

Conclusão: Se você gosta de jogos de plataforma, gosta de animes e, principalmente, gosta de um jogo que tenha um enredo de peso (coisa difícil hoje em dia), esse jogo é obrigatório! Durante o desenrolar da história, ficamos sabendo das verdadeiras ambições de Glames, que não se restringiam em apenas salvar o seu povo de Dark World, mas sim de ter a posse das duas poderosas espadas. Pode ser um jogo antigo, mas com certeza dá de 10 a zero em muitos jogos novos por aí. Em uma época em que jogos de plataforma não possuíam uma boa história desenvolvida (com exceção dos rpgs), em que encanadores salvavam princesinhas e porcos espinhos salvavam bichinhos, Valis surgia como um diferencial nos jogos de 16 Bits com seus carismáticos personagens para encantar toda uma geração de jogadores.

Valis III merece uma olhada com carinho, você corre um sério risco de se encantar pelo maravilhoso mundo de Valis (e principalmente pelas suas belas garotas ^^). Yuko, Cham e Valna foram heroínas de respeito que há tempos não aparece em um game (Yuna? Coitada, não dá nem pro cheiro, só lamento), com raras exceções, como a Aeris (que nem era a personagem principal) de FF VII.

Nome: Valis III

Sistema: Mega Drive

Desenvolvedora: Riot/Renovation/Telenet

Ano de Lançamento: 1991

Nota da análise: 9/10

+ Uma história impecável, personagens maravilhosos, várias cutscenes
+ Bons gráficos, trilha sonora excelente, possibilidade de se jogar com 3 gostosas ^^
Algumas fases e animações cortadas do original PCE
Não é muito difícil

May the Valis be with you!

Anúncios
comentários
  1. Adriano Soares disse:

    Achei bastante interessante…
    Eu ouço falar deste jogo desde que era uma criança, hoje com 30 anos vou dar uma chance para ele.
    Ótima postagem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s