Super-Homem vs Homem-Aranha – A Batalha do Século – heróis se confrontaram nos quadrinhos nos anos 70!

Publicado: 01/08/2012 por Márcio Alexsandro Pacheco em Artigos, Quadrinhos (Comics)
Tags:, , , , , , , , , ,

Você leitor geração Justin Bieber talvez não saiba, mas os dois maiores super-heróis das editoras Marvel e DC já se enfrentaram em um encontro épico nos anos 70. É claro que estamos falando do Homem-Aranha e o Super-Homem, e a revista em questão é “Superman vs The Amazing Spider-Man: The Battle of the Century”, lançada em 1976.

As duas editoras já eram grandes rivais naquela época, e esse crossover marcou história ao realizar o sonho de qualquer leitor de quadrinhos, que foi sem dúvida o encontro do século. Crossover esse que foi o “pai” de todos e instalou a base para os encontros de super-heróis de universos diferentes, ou seja: heróis se encontram, quebram o pau, depois se unem contra um inimigo em comum. Fórmula essa usada até os dias de hoje. Mas como que duas grandes rivais da indústria dos quadrinhos puderam se unir?

No início dos anos 70 foi sugerido aos editores, Stan Lee da Marvel e Carmine Infantino da DC, um filme que reunisse os dois personagens (os dois editores eram amigos de infância, o que certamente ajudou na negociação). Mas como já havia um filme do azulão planejado pela Warner Bros (o primeiro filme da franquia, com o eterno Christopher Reeve) e uma série de TV para o cabeça-de-teia (bem tosca por sinal, veja a abertura dela aqui) o projeto foi engavetado.

a clássica capa por Ross Andru

Em 1975 as duas editoras trabalharam juntas na adaptação do filme “O Mágico de Oz” para os quadrinhos, trabalho esse que incentivou retomar àquela ideia, mas na forma de uma edição especial em quadrinhos. A edição foi lançada em 1976 e além dos heróis principais, contava com os personagens secundários Mary Jane Watson, Lois Lane, J. Jonah Jameson e Morgan Edge, e os vilões Dr Octopus e Lex Luthor.

Mas quem resolveram chamar para realizar audacioso projeto? Foram convocados o roteirista Gerry Conway e o desenhista Ross Andru, dois consagrados artistas do universo dos quadrinhos e o mais importante, ambos já haviam trabalhado com os dois personagens e conheciam bem os seus universos. Claro que, para um trabalho tão importante, houve a colaboração de outros profissionais, tanto nos desenhos como no roteiro, como Stan Lee, Carmine Infantino, Marv Wolfman, Len Wein, Roy Thomas, Neal Adams, John Romita, entre outros. De acordo com Daniel Best, Neal Adams finalizou a arte de Super-Homem e John Romita fez o mesmo com o Homem-Aranha (e com Peter Parker).

 

Gerry Conway e Ross Andru foram os escolhidos para a produção do encontro épico

Gerry Conway é, sem dúvida, um dos maiores nomes da indústria de quadrinhos, ele deixou o seu legado tanto na Marvel como na DC, ao criar os personagens Justiceiro e Nuclear, respectivamente. Seus primeiros trabalhos de destaque foram nas revistas do Homem de Ferro, Demolidor e Hulk, no início dos anos 70, e com apenas 19 anos, escrevia roteiros para os peso-pesados Homem-Aranha e Quarteto Fantástico. Os fãs do aracnídeo devem se lembrar bem dele, pois foi quem escreveu uma das mais importantes histórias do personagem: a morte de Gwen Stacy, o primeiro grande amor de Peter Parker (e par romântico no novo filme “O Espetacular Homem-Aranha”). Então, se você gostava da personagem, eis o homem que você deve odiar e mandar uma bomba.

Ainda com o Homem-Aranha, ele criou o Justiceiro (juntamente com Ross Andru), que a princípio era para ser apenas um vilãozinho de segunda nas histórias do herói, mas que com o tempo ganhou fama e sua própria base de fãs, sendo um dos mais importantes da editora. Na DC Comis se destacou com o seu trabalho na Liga da Justiça e ao criar Nuclear (juntamente com Al Milgrom), um jovem cheio de problemas na faculdade (os anos trabalhando com Peter Parker/Homem-Aranha se refletiam em Nuclear). Uma das características dos roteiros de Conway era dar mais atenção aos personagens secundários, que tinham mais destaques nas vidas dos personagens principais. Alguns desses personagens inclusive ganhavam arcos de histórias individuais, com os seus próprios problemas e crises, deixando o protagonista de lado.

Ross Andru ficou mais conhecido por desenhar histórias de Super-Homem, Mulher-Maravilha e Homem-Aranha (fez outros trabalhos, mas esses eram os principais). Na época ele era o único que havia desenhado o Aranha e o azulão, e por isso foi o escolhido para o crossover histórico.

aperta aqui amigão

A Batalha do Século

Logicamente essa história não conta na cronologia do universo dos personagens e nela, Lex Luthor, maior inimigo do Super-Homem, e o Dr Octopus, rival do Aranha, unem suas forças com a finalidade de destruir o mundo e destruir seus dois inimigos.

Peter Parker e Mary Jane estão numa conferência em Nova York, assim como Clark Kent e Lois Lane. Luthor, disfarçado de Super-Homem, aparece e sequestra Mary Jane e Lois Lane, deixando ambos Parker e Kent perplexos com a cena. Os dois correm para se transformar em suas respectivas identidades, e acabam se encontrando nos céus da cidade.

O Aranha, mais cabeça quente, acusa o azulão de raptar as moças, exigindo explicações. Enquanto isso Luthor e Octopus observam a cena de longe. É claro que, numa situação normal, o Super transformaria o Aranha em paçoca, num combate corpo-a-corpo (para ter alguma chance de vencer, o Aranha teria que usar do seu intelecto para tentar alguma coisa). Luthor então irradia o Homem-Aranha com uma arma que reproduz a luz do Sol Vermelho, luz essa que enfraquece o Super-Homem, e assim temos umas das maiores cenas desse encontro: o Aranha dando um murro no Super, fazendo-o voar longe.

cena antológica 1: Aranha arrebentando com o Super!

O Aranha continua atacando o Super-Homem, que fica sem ação contra o “poderoso” rival, o que gera uma situação engraçada, com o teioso se achando o máximo e falando coisas do tipo “você não passa de uma piada” para o Super. Claro que toda essa provocação, e ter o rabo chutado, deixa a estrela de Metrópolis nervoso e ele desfere um super murro contra o aracnídeo, em outra cena antológica: o Super detém o golpe na última hora, mas apenas o deslocamento do ar gerado pelo movimento do punho do Homem de Aço, faz o cabeça-de-teia voar muito longe. E nessa hora passa os efeitos do raio irradiado no Homem-Aranha.

cena antológica 2: Super dando o troco no Aranha!

O Aranha retorna muito puto, e temos mais uma sequência cômica, do aracnídeo esmurrando o Super, que desta vez nem se move. Os dois heróis então percebem que foram manipulados e decidem se unir, para encontrar os verdadeiros inimigos e salvar as gatinhas. Quer saber como termina a história? Ora, vá ler a revista, que vale a pena, mais do que recomendada. Como somos legais, deixamos aqui um link para poder baixar a mesma.

A revista foi um gigantesco sucesso, como era de se esperar, e acabou abrindo portas para outros crossover, inclusive um segundo encontro entre o Aranha e o Super. Mas isso é papo para outra matéria.

comentários
  1. Tirandumsarrus Rex disse:

    Só sendo um pouquinho realista, o Super quebraria o Aranha tão rapido que quando ele se desse conta do que aconteceu, ja estaria reencarnando.

  2. Meu pai tem essa revista !!!

  3. homem aranha é o mais forte e mais poderoso

  4. joao pedro figueiredo disse:

    homem aranha cuidado ele pode cortar sua teia…

  5. Anônimo disse:

    HOME ARANHA GANHA SUPEMA E UM MAIS FRACO DO MUDO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s