Seção Trash Games: Last Battle – inspirado no anime “Hokuto no Ken”, jogo é um exemplo do que não devem fazer!

Publicado: 24/10/2012 por Eduardo Farnezi em Análises, Mega Drive, Trash Games
Tags:, , , , ,

Quando um game licenciado vem à tona, lá no fundo já se sabe que “lá vem bomba”. Seja um licenciado de filme, de um cartoon ou de um anime, as chances para que a coisa ande bem sempre são remotas.

Entretanto, pode acontecer de um jogo ruim ser até bem aceito justamente por conta de seu licenciamento, sendo ele bom tão somente pelo o que é como jogo ou não. Caso clássico mais recente é Saint Seiya: Chapter Sanctuary, que de bom não tem absolutamente nada, mas os fãs “tietes” da série como eu, foram logo comprando e não ficam sem.

Citando Saint Seiya, que aliás NUNCA teve bons games, um outro anime, originalmente Old School, independente de seus OVAS e filmes mais atuais nunca teve sorte com suas versões para jogos eletrônicos, apesar de ser um anime fantástico, pioneiro e “foda pra cacet……”.

Imagino que os mais antigos e amantes de animes, se lembrem com mais vividez desse anime oitentista, apesar de que, com o efeito amplificador de conhecimentos da internet, muita gente mais nova deve conhecer: Hokuto no Ken. Hokuto no Ken sempre sofreu com suas adaptações para os games, entretanto, em duas situações em especial, sofreu bem mais do que o deveria, e é sobre a segunda (e mais conhecida dos gamers em geral) dessas vezes que trato em mais um review destinado aos trash games da vida.

Em um EXTREMO resumo e explicação sobre o anime, explicação apenas do que interessaria se saber para o que, em teoria, deveríamos esperar de um game baseado nela: Kenshiro é o mestre da técnica Hokuto Shinken, uma técnica poderossíma de artes marciais. Ele é o Chuck Noris do anime, com um toque no local correto, faz sua cabeça explodir e seus miolos jorrarem dela. Rápido e poderoso, enfrentá-lo é pedir para padecer.

Só isso? Não…. O anime é fantástico e rico em personagens e história, no entanto, para um game baseado na série, bastava saber disso para criar um game pelo menos jogável. E pois é, conseguiram fazer tudo nesse game, com até boas idéias tenho de admitir, menos criar um game jogável.

O game japonês, que saiu primeiro do que o americano, tem o diminuto nome de Shin Seikimatsu Kyūseishu Densetsu Hokuto no Ken Tanto o game japonês, quanto o americano Last Battle, possuem o mesmo esquema no que cerne à jogabilidade, então analisarei inicialmente os games com base na versão japonesa, e posteriormente me focarei em propósito inicial, o game americano. Acredite em mim, isso tem um propósito.

O que se esperar de um game que tem em sua original contraparte nos animês o foco na ação? Ora, ação! E partindo desse propósito, nada mais normal do que o game ter sido desenvolvido como um Beat´n up, afinal, ação side scroling seria um bom atrativo ao game, e manteria o clima de pancada e lutas frenéticas do anime.

Mas a Sega…. Ah Sega…. A Sega de Streets of Rage conseguiu matar o game fazendo dele um dos Beat´n up mais monótonos que a história dos games pode oferecer.

Kenshiro anda devagar na tela, mas muito devagar mesmo, enquanto os inimigos aparecem pelos lados a seu encontro. O game não possui profundidade, ou seja, a “tela de ação” se resume à direita e à esquerda do personagem, o que já diminui muito da ação que o game poderia proporcionar.

Não contente com isso, a Sega fez com que os inimigos morram com um golpe só, e que ataquem se pensar em mais nada, nem mesmo em efetivamente atacar. Eles vêm até o Kenshiro correndo com tudo, de arma em punho e só, fazendo com que seja extremamente raro levar um golpe de um inimigo, somente acontecendo caso o jogador erre o tempo do golpe. Sim, o tempo do golpe.

No game, Kenshiro não somente anda devagar, mas faz tudo devagar. Mas esse tudo “pelo menos” não é muito coisa. Ele possui somente um soco, que vira um combo infinito de dois socos padrão caso o jogador fique apertando o botão repetidas vezes. Um chute, chute esse aliás que não é dado para frente, mas sim para cima, como se Kenshiro estivesse chutando um mosquito na cara dele e não o inimigo. Ponto final. Isso é o padrão de golpes. Caso você pule, ele aplica no ar dois chutes para o alto alternando as pernas. Caso se abaixe, aplica um chute rasteiro, que não tenho coragem de chamar de rasteira! *Fim da lista de golpes*

Mentira! Pegadinha do malandro!! Mas não se anime….

Assim como no anime, Kenshiro quando se enfurece, fica mais forte. Os músculos crescem a tal ponto de a camisa rasgar, e a partir dai ele luta com tudo, de maneira mais ágil e violenta. Normalmente nesse ponto, ele se utiliza da técnica popularmente conhecida como “ A ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta! Atha!”.

Explico: Kenchiro executa velozes e furiosos socos em velocidade e força incríveis, além da precisão de acertar os socos nos locais adequados do corpo para realizar danos maiores e, normalmente, fazer o corpo do pobre coitado explodir de ver, num mar de sangre e psicodelia.

No game, existe, logo abaixo da barra de vida, uma barra que se enche a medida que se detonam os inimigos. Quando esta barra chega a “x” ponto, Kenshiro rasga a blusa, fica forte, fica bravo e a partir desse momento a coisa muda de figura: Kenshiro agora anda lentamente e age lentamente, mas agora sem camisa O personagem ganha socos velozes mas não em combo, ganha um chute decente, uma voadora que preste, fica mais forte ( o que durante as fases regulares não significa muita coisa já que os inimigos morrem somente de olharmos para eles), mas a lentidão de ações e estupidez dos inimigos se mantém.

Talvez a única parte do game nesse aspecto que se mantenha fiel ao animê é o certo teor de violência. Os inimigos quando recebem o único golpe que precisam receber antes de morrerem, ficam sem a cabeça por conta do soco de Kenshiro, e seus corpos voam ao chão ensanguentados. Pelo menos isso se salvou. Por enquanto…

No aspecto sonoro, mais decepções. As músicas têm sim o clima do anime, e algumas são músicas tiradas do próprio anime, no entanto, o game possui uma qualidade horrível de áudio, o que torna as melodias chatas e irritantes.

A mesma coisa ocorre com os efeitos sonoros do game. Sons do salto de Kenshin e dos socos são quase pertinentes, assim como o som de se acertar um inimigo. No entanto, o som do chute é de amargar. E como não resta mais nada a dizer sobre a sonoplastia do game, continuemos.

O visual do game até que não é ruim. Os personagens são grandes na tela, apesar de não bem animados. Em nenhum momento temos personagens deformados ou não contrastando com o ambiente.

Os cenários são extremamente estáticos e sem vida, além de serem muito repetitivos. Um trabalho completamente sem inspiração. Com certeza o grande problema do setor visual do game são os cenários, sendo tão monótonos quanto à jogabilidade do game. Vai ver foi proposital e nós não sabemos…

Entre uma fase e outra, podemos escolher em uma mapa, qual será a próxima localidade a se visitar, tal localidade será a próxima fase ou mesmo um chefe. O sistema é interessante, já que proporciona uma certa liberdade de escolha das fases, e o retorno de fases antigas para uma nova jogatina. No entanto, e em trash games boas idéias sempre apresentam um “no entanto”, o sistema pode ser uma porta para o game over.

O game não indica no mapa do que se trata a fase a se escolher. Assim sendo, não serão muito raras as vezes em que, ao se escolher uma fase, esta seja um chefe, e dada a Lei de Murphy, esse chefe seja impossível de ser batido sem que Kenshiro esteja em sua forma mais poderosa e o jogador não está nessa forma. Resultado: Game Over!

A coisa é tão grave que isso pode ocorrer na sua segunda escolha de fase do jogo, dependendo de por onde resolver caminhar.

A história do jogo engloba a segunda temporada do mangá / anime, mas não é nada que tenha muita importância aqui, pois ela é contada somente na forma de diálogos ridículos e mal feitos, quando se encontra um aliado de Kenshiro no fim de alguma fase. Normalmente, cada um diz uma frase solta no tempo e espaço e é fim de conversa.

Mas apesar disso tudo, minha nota para esse game japonês não seria menor do que um 2,5, pois com certeza meu “modo fã” do anime Hokuto no Ken prevaleceria, e sendo assim, eu faria vista grossa para uma coisa ou outra.

Entretanto… Como deve ter visto lá no começo da análise, não estou aqui para analisar e dar nota paraShin Seikimatsu Kyūseishu Densetsu Hokuto no Ken , estou aqui para analisar Last Battle, e ai as coisas mudam muito de figura. O game americano, sabe-se lá por que cargas d´água não conseguiu o licenciamento da marca Hokuto no Ken, dessa forma, a Sega reformulou o game para ser lançado no ocidente, sem ser um game Hokuto no Ken.

Lembra-se do que disse acima? Que havia um propósito sobre deixar bem claro que a análise que descorri foi sobre o game japonês? Pois bem, tudo dito até aqui vale para o game americano. Todas as mazelas estão no game americano. TODAS! Mas como tudo que é ruim pode, e por via de regra, tende a piorar, a única coisa que o game japonês tinha para sustentá-lo, mesmo que mau, se perdeu aqui: Hokuto no Ken.

Graças ao não licenciamento, o game americano foi reformulado visualmente para não fazer referências escandalosas a Hokuto no Ken. Personagens alterados, assim como seus nomes. A Sega teve a cara de pau de, em alguns chefes, alterar a cor da pele dos chefes. Alguns ficaram verdes, outros com cor de beterraba, e por ai vai. Os nomes novos são ridículos. Kenshiro virou Aarzak. AARZAK!

O que é isso?! Até mesmo o nome das técnicas criadas para o anime mudaram de nome. Dessa forma o lendário Hokuto Shinken se transformou em Jet-Kwon-Do. O Gento Koken virou Tae-Kung-Fu. Não foi tão ridículo quanto com relação ao nome de Kenshiro, mas foram nomes sem criatividade alguma.

Os cenários também sofreram alterações, saindo de um mundo pós apocalíptico, indo direto para um estilo meio cowboy, meio velho oeste. A única coisa que não mudou foi a repetição e a monotonia. E aqui temos a alteração mais doida. A alteração da “pureza” norte americana que imperava naquela época. A censura a violência.

Os inimigos que antes explodiam em sangue, que tinham os miolos dilacerados, aqui ao receberem o golpe voam para o lado oposto até que saiam da tela. Os chefes, que antes eram até interessantes de assistir morrerem, no game americano “pegam catapora”, empipocam e somem. O que não mudou foi a estupidez dos inimigos e a repetição dos mesmos.

Em resumo: O game americano pega as poucas coisas que o game japonês tinha de minimamente interessante e consegue deixá-las clichês e desinteressantes. Por certo um dos piores games do Mega Drive, já em sua versão japonesa, que dirá a americana. Last Battle é um game que apesar de tudo deve ser jogado, acredito eu, por todos aqueles que querem um dia trabalhar com a criação de um game, pois terão um fantástico exemplar do que não devem fazer. Mas para você, que quer mesmo é saber de aproveitar um bom game, passe longe de Last Battle. Se quiser jogar um bom game de pancadaria para o Mega Drive, vá direto para a série Streets of Rage e seja bem feliz.

Aproveito esse novo momento “trash game” para reforçar o pedido que fiz na análise de Ultimate Fighter: Aproveitem o espaço de comentários logo abaixo da análise para sugerir games horríveis, que são tão ruins que chegam a cheirar algo em putrefação, para que façamos uma análise e mostremos ao mundo o poder dos Trash Games!

Conclusão: Last Battle é um game que apesar de tudo deve ser jogado, acredito eu, por todos aqueles que querem um dia trabalhar com a criação de um game, pois terão um fantástico exemplar do que não devem fazer. Mas para você, que quer mesmo é saber de aproveitar um bom game, passe longe de Last Battle. Se quiser jogar um bom game de pancadaria para o Mega Drive, vá direto para a série Streets of Rage e seja bem feliz.

Nome: Last Battle

Sistema: Mega Drive

Desenvolvedora: Sega

Ano de Lançamento: 1989

Nota da análise: 2/10

+ Personagens grandes na tela

+ Poder desligar o console na hora em que quiser

 Não possui a licença de Hokuto no Ken

 Movimentação ruim

 Jogabilidade lenta

 Inimigos todos e Repetitivos

 Sistema de mapa interessante, mas nada funcional

 Cenários repetitivos e monótonos

Anúncios
comentários
  1. Walber disse:

    Eu até acho esse jogo legal, é bom lembrar que foi um dos primeiros jogos do Mega Drive, por isso, acho que ás vezes, as pessoas exigem demais dele. O console tinha jogos muito piores, e, já que o autor pediu, então eu sugiro vários: Ultraman, Sword of Sodan, Race Drivin´, X-Perts, Barbie Super Model, Heavy Nova, Beast Wrestler…é bastante assunto, e depois de jogá-los, Hokuto no Ken não vai mais parecer tão ruim, rsrsrs

  2. Eduardo Farnezi disse:

    Veja só…
    Tem games ai na sua lista que são tão ruins que eu nem me lembrava mais…
    Vou revisitar para analisar…
    Hehehe!!!

  3. helisonbsb disse:

    essa semana estava jogando karateka do nes e me lembra muito last batle e black belt também!!!!!lembro em meados dos anos 90 alugando 30 minutos em uma locadora de taguatinga-df Brasília, o nome da locadora era store of games…bons tempos!!!!na época estava admirado com os gráficos e jogabilidade,,,,sem contar que o mega drive estava no seu auge ainda!!!!!juntando video game e last batle,,,,,era a soma perfeita em termos de diversão!!!!!fiquei maravilhado com esse jogo,,,as vezes ainda jogo, mas no momento estou tentando zerar karateka,,,,desde a época do dynavision II, quando joguei pela a primeira vez,,,estou tentando finalizar o jogo, como dizem no double dragon, salvar a princesa ou donzela em perigo!!!!!bons tempos! feliz natal a todos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s