Batman: The Video Game – relembre o clássico do morcego no nintendinho 8 Bits!

Publicado: 29/11/2012 por Eduardo Farnezi em Análises, NES
Tags:, , , ,

Clássico Time!

É com esse “portunhol” que começo aqui minha humilde análise de um dos games mais adorados do “velhinho da Nintendo”, o Nintendinho. Com vocês: Batman.

Lançado em 1989, mesmo ano do lançamento do primeiro dos filmes de Batman do diretor Tim Burton, filme esse o qual o game é “baseado”, Batman para Nes surge para marcar presença no mundo dos games.

Assim como no filme, o vilão mor do game é ninguém menos do que o Coringa, que no game está com a cara do Jack Nicholson, ator que interpretou o vilão no filme homônimo. Tirando esse fato, e o de que Batman é o Batman em ambas as obras, mais nada um tem em comum com o outro, o que de forma alguma deprecia o game.

A jogabilidade do game é simples, funcional e com elementos muito criativos que fizeram a cabeça dos jogadores da época. Como todo bom game de ação com movimentação scroling em 2D, caminhamos com Batman da esquerda para a direita, enfrentando todos os inimigos que aparecerem. O hall de movimentos para isso é o essencial: um botão para dar pancada, um botão para pular e os direcionais, que movimentam o herói mascarado para esquerda e direita.

Com o botão de ação podemos, sem que nenhuma arma esteja selecionada, aplicar socos. Caso alguma arma seja selecionada, podemos nos utilizar de três armas diferentes: um bumerangue, uma arma que parece um lança foguetes de uma mão e um arma que parece ser três estrelas ninja que voam paralelamente em direção dos inimigos. Normalmente os socos e os bumerangues resolvem qualquer problema, mas existem utilização para as outras duas opções de armas.

No que cerne a movimentação do personagem, o destaque vai para os saltos entre paredes próximas uma da outra. Pressionando o botão de pulo, após já ter saltado uma vez, encostado na parede enquanto no ar, Batman pega impulso na parede e projeta seu corpo para cima em direção contrária, podendo realizar essa mesma ação posteriormente quantas vezes forem necessárias, de parede em parede, podendo alcançar alturas inatingíveis de outra forma qualquer. É algo que parece simples, mas que visto feito com tanta fluidez por um personagem de um game de Nintendinho impressiona.

Para finalizar os elogios quanto à jogabilidade, vale dizer que o controle responde de maneira imediata aos comandos realizados pelo jogador, e que jamais o controle poderá ser utilizado como velha desculpe de “o porquê eu morri ali”.

Ao fim de cada fase, lembrando que o game conta com cinco no total, encontramos um chefe, não muito inspirado, mas com um ótimo nível de dificuldade, a ser abatido. Nenhum dos chefes, excluindo o Coringa tem relação direta com o filme, assim como os cenários.

Por falar em dificuldade, o game era “o cão chupando manga” para sua época, causando verdadeiro estado de tensão e nervos para jogadores menos providos de habilidades com o controle nas mãos. Hoje em dia, encontramos vídeos de pessoas o finalizando sem morrer e bem rapidamente, mas não se engane, era o “bicho pegando” chegar até Coringa.

O visual do game é muito inspirado, se utilizando de poucas cores, e em sua maioria de tonalidades mais escuras, os desenvolvedores conseguiram criar o clima gótico que Gothan City demanda. Não vou dizer aqui que o visual do game é um obra de arte para os padrões do Nintendinho, pois temos vários exemplares com visual muito mais belo, no entanto, Batman apresenta um visual que não desagrada a quem olha e que não incomoda em momento algum.

Já a trilha sonora, essa sim é muito bem trabalhada e inspirada. O time de criação trabalhou muito bem o fraco chip de som do Nes, criando músicas belas, variadas e que ajudam o jogador a imergir no mundo do game. A música da primeira fase do game nunca mais saiu da minha mente depois que joguei esse game pela primeira vez lá em meados dos anos 90. O mesmo vale para os efeitos sonoros do game, como explosões, por exemplo, todos bem transcritos para o Nes.

Bom, esse é Batman, um jogo que esta por certo no coração dos jogadores Old School, que tiveram a chance de aproveitar deste maravilhoso game da maneira mais apropriada o possível, em um Nintendinho na época de seu lançamento. O jogo também teve uma versão excelente para Mega Drive, também da Sunsoft, leia análise do mesmo aqui.

Espero ter instigado aqueles que ainda não conhecem o game a conhecê-lo, e espero também feito o jogador Old School ter tido aquele momento nostálgico que somente um Old School entende. No caso de dúvidas quando a ambos, deixo aqui um vídeo de um jogador que finaliza o game sem sequer morrer. Assista o vídeo e tente fazer isso você também, não vai ser muito fácil…

Conclusão: Um game que, como eu me canso de falar aqui de jogos de Nes e afins, simples e criativo. Um game que proporcionou muita felicidade para jogadores da época, que tinham em seu Nintendinho, a chance de incorporar o grande herói de Gothan City e dar aqueles sopapos no Coringa! Diversão garantida!

Nome: Batman: The Video Game

Sistema: NES

Desenvolvedora: Sunsoft

Ano de Lançamento: 1989

Nota da análise: 9/10

+ Controle com respostas rápidas e precisas.

+ Visual gótico para um game gótico.

+ Músicas agradáveis aos ouvidos.

 Palheta de cores do console podia ser melhor utilizada.

 A dificuldade por certo afastou jogadores casuais.

comentários
  1. Rubinho disse:

    Esse Batman, que tão bem analisou, o The Adventures of Batman & Robin do Super Nintendo e o recente Batman: Arkham Asylum ilustram e iluminam bem mais as características desse personagem e de seu mundo do que esses filmes cheios de choradeiras e draminhas entediantes…
    Parabéns pela postagem

  2. olha pra mim esse game o que se destaca é sua difilcudade, em muitos momentos vc desiste pq perde a paciencia… mas muito nostálgico pro pessoa da velha escola… a lado bom que pela dificuldade ainda tem alguma motivação pra jogar denovo… mas no emulador, jogar sem trapaça é dificil pra carai!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s