Tiger Heli – o clássico shooter aéreo do Nintendinho 8 bits!

Publicado: 07/03/2013 por Eduardo Farnezi em Análises, NES
Tags:, , , ,

Nintendinho na veia!

tiger-heli-fita-60-pinos-frete-gratis-para-todo-o-brasil_MLB-O-2971805969_072012

O ano, 1986. Provavelmente muitos dos leitores que aqui estão sequer eram vivos e portanto, podem não compreender as lágrimas que correm pelo meu rosto enquanto escrevo essa análise.

O game que exponho aqui foi o segundo game de “navinha” com progressão vertical que me deixou “ligado” nele. O primeiro deles, claro, foi “River Raid” (game esse que ganhará uma análise aliás…). É com muito amor no coração que apresento a vocês “Tiger Heli”, versão para NES.

Um dos poucos games desenvolvidos pela Toaplan, empresa produtora de games nipônica, e distribuído pela Taito, Tiger Heli, como já dito acima, é um shooter com progressão vertical. No game o jogador controla um helicóptero e tem como único objetivo destruir os inimigos que forem aparecendo pela frente. Simples assim.

O game não apresenta uma história que se faça justificar o embate, você tem de destruir o inimigo, pois, ao contrário, o inimigo destruirá você e ponto final.

Como todo bom shooter, o jogador tem à disposição dos tiros simples, que são infinitos, a bombas, que dilaceram os inimigos que, no momento, estão na tela e a Power-ups, para dar um upgrade no poder dos tiros simples. Em Tiger Heli, os Power-ups são de dois tipos: O primeiro, cinza, garante auxilio em tiros frontais, enquanto os Power-ups vermelhos garantes auxilio para tiros laterais. Existe também o Power-up verde, mas que na verdade garante ao jogador uma bomba extra tão somente.

Os auxílios dados pelos Power-ups não são somente incrementos de tiros no próprio helicóptero, mas sim mini-helicópteros que se unem ao helicóptero principal para destruir os inimigos.

Com relação aos cenários, eles são pobres, com poucas cores, e parecem sempre se repetir. Aliás, realmente se repetem. Tiger Heli é um game infinito, o que era comum na época. A cada quantidade fixa de estágios, que não são exatamente estágios, mas sim sessões passadas pelo jogador, o helicóptero pousa em um heliporto, nesse heliporto temos a contagem de pontos e o helicóptero volta a voar para mais ação. A partir desse retorno, os cenários se repetem ciclicamente, com a dificuldade aumentada substancialmente, dito isso, entenda que a partir desse retorno os tiros dos inimigos aumentam em quantidade e em especial, velocidade.

Os inimigos sempre são os mesmos, não havendo mais do que cinco tipos de tanques diferentes. A maioria dos inimigos são destruídos com somente um tiro recebido e não existem chefes ao longo da jornada. Nem mesmo quando o jogador inicia um “repeteco” dos cenários em uma dificuldade maior os inimigos mudam, sejam de posição, sejam de layout. Nem mesmo a cor deles mudam.

Para fechar o assunto nesse tocante, vale ressaltar que “Tiger Heli” é um jogo bem difícil. Muito provavelmente não passará do terceiro “pouso/recomeço”, pois a partir daí, os tiros dos inimigos ficam absurdamente rápidos, e o helicóptero do jogador não é exatamente uma virtuose em agilidade.

A trilha sonora do game não é ruim, mas enche o saco uma hora, pois toca o game inteiro a mesma música, que é boa. Os efeitos sonoros não possuem nada de especial, mas também não possuem nenhum demérito.

Com o controle na mão o game responde muito bem ao controle do NES. Com o duro e terrível direcional (sim, ele é assim. Isso é verdade e você sabe disso!) movimenta-se o helicóptero, enquanto que com os dois botões do joystick, atiramos e soltamos as bombas para nos salvar em momentos de desespero.

Simples e eficaz, Tiger Heli era entretenimento de qualidade. É verdade que jogá-lo hoje em dia deixa um gostinho amargo na boca. Pelo menos para mim, o game não envelheceu nada bem, mas isso não deve ser motivo para demérito do game, afinal de contas, tudo tem o seu tempo. Steven Seagal sabe bem disso (piadinha interna).

Conclusão: Um game extremamente simplista, mas que é bem competente dada a sua data de lançamento. Para quem gosta atualmente de Sonic Wings, Ikaruga e afins, fica ai a dica de um game que faz parte da história de onde tudo começou.

Nome: Tiger Heli

Sistema: NES

Desenvolvedora: Toaplan

Ano de Lançamento: 1986

Nota da análise: 7/10

+ Um game simples e objetivo.

+ Game pra nego bom de dedo, difícil!

 Cenários repetitivos e simplistas.

 Pouca variação de inimigos.

 História de Pescador: “Eu já zerei esse jogo!” (sério).

tigerheli_(13)

comentários
  1. eu joguei esse jogo em 1994 com um cartucho sem a carcaça, e falavamos… vamos jogar aquele jogo de helicóptero dificil….rs

    parabens pelo site

  2. José disse:

    Ganhei um Turbo Game com o Tiger Heli quando era criança, jogava demais esse joguinho e sempre achei que ele tinha um final.

    Nostalgia total

  3. Tecnicotubar disse:

    Comprei um top game em 1989 e ele veio junto e zerei ele, mas começa tude denovo !

  4. Elton disse:

    Tb tive um top game da famigerada CCE (Conserta Conserta e Estraga). Nunca “zerei” ele mais que duas vezes. Faça uma matéria sobre outro “classico”: ROAD FIGHTER

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s