EVO2014_logo

Bom meus amigos, acabou-se o maior evento do ano do universo fighting game.
Acabou-se a EVO 2014.

Na sexta-feira (11/07/2014), fiz um texto acerca do evento desse ano. Nessa postagem indiquei quais seriam os jogos da lineup principal, número de inscrições que cada um deles conseguiu e pessoais previsões sobre o impacto de cada um.

Agora estou aqui para fazer um rápido apanhado sobre o final da EVO 2014 e desde já deixo claro: errei FEIO em algumas de minhas previsões pré-evento!

Essa EVO era extremamente aguardada devido a alguns fatores peculiares: Seria a primeira aparição de Ultra Street Fighter IV e Killer Instinct no evento, Smash  Bros seria um dos games principais desse ano, o incentivo financeiro massivo da produtora de Blazblue no torneio de seu game, entre outros.

 

Entretanto, pessoalmente eu estava muito ansioso por dois principais fatores. O primeiro deles era o torneio de The King of Fighter XIII, que nos anos anteriores proporcionaram momentos mais do que épicos. O segundo motivo era a presença, pela primeira vez na história do evento, dos cinco “Deuses Japoneses dos Fighting Games” competindo no torneio de Ultra Street Fighter IV.

Em contrapartida, não esperava muita coisa da participação de BlazBlue nessa EVO, uma vez que nunca um game do estilo tinha produzido um hype muito alto no público, nunca ganhando um espaço de destaque no evento ao longo de sua história.

Como eu me enganei…

Meu primeiro engano foi acerca do torneio de Killer Instinct. Verdadeiramente acreditei que seria um torneio emocionante. Que levaria o publico ao delírio, causando um hype similar ao que KOFXIII causou nas edições de 2012 e 2013.

Apesar de ser um fighting game com um sólido gameplay e ter nomes importantes do cenário profissional, o torneio não possuiu nada que o levasse a um “outro nível”. Mesmo com lutas apertadas, comebacks quase impossíveis e tudo mais o que leva o público à loucura ao longo de um torneio de alto nível, não houve nenhum momento de empolgação. Prova disso foi o morno público presente que em nenhum momento esboçou grande empolgação.

Tive a impressão de que o game não dá espaço para esse tipo de empolgação devido a seu gameplay. Me pareceu que não importasse muito qual personagem estava em campo de batalha, as estratégias de luta eram basicamente as mesmas e isso quebra bastante o clima.

 

Quanto Super Smash Bros. Melee, como disse no meu texto pré-EVO, ele não é um fighting game de verdade. Não deveria sequer estar ali. Entretanto, seu torneio causou mais burburinho do que os torneios de Tekken Tag 2, Killer Instinct e Injustice, juntos.

As visualizações do canal de Stream da EVO durante as finais de Smash foram absurdamente altas e ele levou muita gente à competição. Apesar disso, o hype que o mesmo causou esse ano não chegou perto do ano passado, mesmo com Smash sendo um dos eventos principais.

De qualquer forma, por certo foi um campeonato a altura do que seus entusiastas esperavam e com certeza ele estará de volta à EVO ano que vem. A não ser que a Nintendo leve até o fim o que quase o fez esse ano: proibir Smash de ser um game da lineup da EVO.

 

O torneio de The King of Fighters XIII foi tecnicamente muito bom, como o que era de se esperar do possível fighting game mais técnico da geração. Entretanto, o nível das lutas não foi tão alto quanto nos anos anteriores, bem como o hype foi absurdamente menor.

Outro fator que aqui chamou atenção foi a derrota de Tokido na final do torneio. Não que o Tokido não poderia perder, afinal de contas eram inúmeros os jogadores de altíssimo nível, entretanto o japonês foi a EVO “cantando de galo”. Como ele é um dos “Cinco Deuses Japoneses”, imaginava-se que ele dominaria o torneio, o que passou longe de acontecer.

 

Os torneios de Tekken Tag 2 e de Injustice foram o esperado: Disputados e com jogadores de alto nível. Entretanto os jogos não empolgaram, como o esperado. Infelizmente esses dois games não “pegaram” como o esperado no cenário competitivo.

Na verdade, o torneio de Tekken Tag 2 quase não aconteceu, tendo recebido uma $$ajudinha$$ da Namco-Bandai para que rolasse.

 

O torneio de Ultimate Marvel vs Capcom 3 teve como destaque o retorno de Justin Wong ao primeiro lugar. Há muito tempo o jogador não conseguia uma vitória em EVOs.

No mais, o hype foi menor como um todo, quando comparado aos dos dois anos anteriores, bem como nada de verdadeiramente novo foi visto ao longo das partidas.

O tempo de vida do game, bem como a falta de atualizações no mesmo, explica o segundo ponto acima mencionado, o que por consequência explica o primeiro ponto.

 

Por certo o mais aguardado dentre os torneios era o de Ultra Street Fighter 4. Não somente por ser o fighting game de maior prestígio da atualidade, mas também por ser a primeira EVO do game em sua versão Ultra e por ter os “Cinco Deuses Japoneses” pela primeira vez competindo simultaneamente no evento.

A grande vedete do torneio foi o fato desses lendários jogadores gradativamente sendo eliminados, sobrando apenas um representante dos mesmos no Top 8.

Boas lutas puderam ser vistas, entretanto imaginei que as novas mecânicas inclusas na versão Ultra de Street Fighter 4 trariam mais inovações às lutas, o que não ocorreu. Ademais, achei que o Delayed Wakeup deixou o game um pouco mais travado do que o esperado.

Pessoalmente, o hype desse jogo foi extremamente menor que nos últimos anos, mesmo que no ano passado ele já não tenha sido assim tão alto. Apesar disso, a grande final foi sensacional, com direito a Reset e tudo mais!

Detalhe: O campeão de Ultra Street Fighter IV participou do torneio usando um joystick de Playstation. Um verdadeiro tapa na cara de quem defende a intransigente superioridade dos Arcade Sticks!

 

Deixo para fim o game que foi o grande destaque da EVO 2014, o que também sacramenta minha maior “bola fora” das previsões pré-EVO: BlazBlue Chonophantasma.

Todo o torneio apresentou lutas fantásticas, mostrando todo o potencial do game. O público reagia de maneira única ao longo das batalhas, que nesse game são frenéticas e absolutamente estratégicas.

O Top 8 do torneio de BlazBlue foi por certo o ponto alto dessa EVO, com lutas incríveis, comebacks inacreditáveis e uma grande final, com direito a Reset e muita emoção do campeão.

Por certo, muita gente que não ligava muito para o game, mas que o acompanhou nessa EVO, passará a respeitá-lo e até mesmo investir no mesmo. Isso inclui quem aqui escreve.

evo-championship-seriesBom, é isso.
Deixo claro que tudo aqui escrito são opiniões pessoais. Bem como fiz o possível para não tentar usar termos específicos do mundo do fighting game, assim como não analisar nada de maneira muito técnica. Não era essa a intenção do texto e acho que todos os termos usados aqui são, ou já conhecidos, ou de fácil posterior assimilação.

Até a próxima!
Quem sabe consigo ir pra EVO ano que vem, fazer a matéria de lá mesmo e apanhar pra burro…

Quer bater um papo informal sobre cinema, games, nerdisses e afins?
Adicione-me no Instagram e Twitter para troca de opiniões, compartilhamento de experiências gamer e para se atualizar de novidades de conteúdo da Canto Gamer.
Instagram: edufarnezi
Twitter: @DrunkenBushin

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s