Posts com Tag ‘beat n up’

Beat’m up, inédito no Mega Drive, apresenta altíssima qualidade!

belos gráficos e animações

Quando eu fiz o post do piratão “Super Mario World 64” para o Mega Drive eu aproveitei e dei uma pesquisada em outros títulos “não oficiais” que foram lançado para o 16 Bits da Sega nesses últimos anos, os quais já estou namorando um tempo e aguardando que uma boa alma consiga-os converter para arquivos ROM para se jogar em emuladores, mas até agora nada. Para quem estiver curioso, os games são “Beggar Prince“, “Star Soldier” e “Pier Solar“, todos RPGs de altíssima qualidade para o console, mas que existem apenas em versões “cartuchos”. Sim, isso mesmo, um pessoal louco pelo Mega Drive desenvolveu games inéditos para o console, mesmo anos depois de sua aposentadoria. O “Beggar Prince”, por exemplo, tem 32 Mb e é bem parecido com os games “Lunar Silver Star” do Sega CD! Foi lançado em 2006 e vendeu 1.500 cópias até 2010, quando cessaram sua produção/venda. Veja aqui algumas imagens dele.

Mas enfim, foi fuçando a internet que acabei descobrindo um outro título “alternativo” para o saudoso Meguinha, não um RPG, mas desta vez um fabuloso beat’m up no nível de um “Streets of Rage 2” ou um “Final Fight 3“, misturado com um “Golden Axe” e um “Knights of the Round“. Dessa salada toda saiu um game chinês inédito para os amantes do Mega Drive, chamado de “Shui Hu Feng Yun Zhuan“, produzido pela Never Ending Soft Team, e que não possui versão em inglês, mas que numa tradução livre significa “Water Margin Wind & Cloud Chronicles” ou ainda “Beneath The Clouds”, pelo que andei pesquisando por aí.

(mais…)

rushing-beat-shura.1

Pacificando as ruas

Existem jogos que sempre serão esquecidos, ou sequer conhecidos, por 90% da “população jogadora” de games. Games que, podemos defini-los assim, pré-conceituados!

Casos assim não faltam. Games como “Beyond Good & Evil” e “Klonoa“, que apesar de serem MUITO bons, caíram no ostracismo. Um caso muito comum é o fato de alguns games nunca serem lançados oficialmente fora de seus países, ou mesmo serem lançados apenas em “um canto” do mundo, normalmente somente no oriente e Europa oriental.

Esse é o caso de “Sexy Beach 3” para PC (hehe) por exemplo. Também é o caso do game que aqui será analisado por quem escreve hoje. Um game que apesar de ser um dos melhores games para SNES, uns dos melhores Beat´n up do Snes e do mercado como um todo, praticamente não é conhecido, pois seu lançamento oficial aconteceu somente no Japão.

Com certeza muitos leitores do Canto Gamer o conhecem, afinal somos, na maioria, da velha guarda de games, mas muitos outros sequer ouviram falar em seu nome.

(mais…)

“Final Fight” lançado em 1989 para arcades pela Capcom é, sem dúvida, um dos maiores games de pancadaria (os famosos beat’m up) da história dos videogames. Foi um divisor de águas no gênero, que antes brilhava com os títulos “Double Dragon”, em especial. Ainda na prancheta, o game foi idealizado para ser uma sequência do original “Street Fighter”, e seria batizado de “Street Fighter 89”, mas acabou ganhando personalidade própria e virou “Final Fight” mesmo.

O título ganhou várias versões em vários consoles desde então, sendo a versão do Super Nintendo a mais famosa, mas longe de ser a melhor. Sim, isso mesmo que você leu, a versão de “Final Fight” para o 16 Bits da Nintendo é superestimada (a maioria dos textos que leio sobre essa versão são muito saudosistas ou não conheciam a versão original). Quem é daquela época, deve se lembrar do alvoroço que o título causou ao sair para o SNES. Eu mesmo, lembro de ter lido numa Ação Games (de número 1 ou 2) uma notinha sobre o lançamento do game no Japão, com uma imagem do Cody que parecia idêntica ao fliperama. Claro que fiquei babando, eu já conhecia o “comedor de fichas” dos flippers dos botecos das esquinas, e seria um sonho realizado jogar o game no conforto de casa.

(mais…)

Final Fight CD

Publicado: 29/11/2011 por Márcio Alexsandro Pacheco em Análises, Sega CD
Tags:, , , , , , ,

que a pancadaria comece: o clássico da Capcom no Sega CD

Os jogadores mais “veteranos” certamente devem se lembrar de Final Fight, o clássico jogo de pancadaria que nasceu nos arcades e logo ganhou versões caseiras (eu mesmo gastei muitas fichinhas neste fliper). Antes de Final Fight ser lançado em 1989 para os arcades, o game Double Dragon com os irmãos Lee é que fazia a cabeça da moçada no gênero beat´n up. Seguindo a mesma fórmula de Double Dragon, a Capcom revolucionou o gênero, melhorando e simplificando o estilo do jogo. A grande diferença do jogo da Capcom para os outros lançados anteriormente, é que Final Fight possuía sprites bem grandes e detalhados e uma jogabilidade super simples, que usava apenas dois botôes.

Agora senta que lá vem história. Final Fight era originalmente para ser uma sequência direta do original Street Fighter (sim, aquele podrão mesmo, e não o famoso SFII). O jogo foi inspirado em um filme de 1984 chamado “Ruas de Fogo” (assistam, é muito bacana, e possui uma trilha sonora sensacional como a clássica I Can Dream About You ou a Nowhere Fast). Saca só, o filme possui uma história simples: um bandidão que todos temem e que sequestrou a gatinha desprotegida do mocinho durão, que parte em seu salvamento, em meio a muita pancadaria, jaquetas de couro, perseguições e rock´n roll. O mocinho do filme chama-se Tom Cody, outra grande coincidência ao game. (mais…)