Posts com Tag ‘ninjas’

KU_No_1_kunoichi_by_GETABO

Criados na escuridão para se tornarem assassinos eficazes, os ninjas eram treinados nos segredos das artes marciais, no domínio de diversas armas e eram mestres na camuflagem, com o objetivo de fazer qualquer tipo de trabalho sem serem notados. Foi nos anos 80 e 90 que os ninjas ganharam fama arrebatadora no mundo ocidental, despertando a curiosidade e imaginação acerca desses “super-homens” de origem oriental tão enigmáticos e atraentes. Esqueça essas boiolices modernas de Naruto e afins, estou falando aqui de “GIRL POWER“, de ninjas MULHERES FODAS (ou Kunoichi, no termo em japonês) e não um bando de pirralhas, mas sim de guerreiras ágeis, habilidosas nas artes marciais, que dominam magias milenares e o manejo de armas mortais como a katana e os shurikens. Sim, ninjas são legais pra caralho e botam pra fuder, se você piscar o olho, te matam cinco vezes antes mesmo de você tocar o chão! E felizmente, os videogames desde o seus primórdios são uma fonte inesgotável dos assassinos implacáveis, com ninjas de todos os tipos, tamanhos, cores e gostos. Mas claro que tantos anos de história “videogamelística’ gerou diversas personagens, algumas simplesmente inesquecíveis, e outras nem tanto. Com o intuito de selecionar os THE BEST OF THE BESTS vamos fazer não um, mais DOIS Top 10, um para os homens fodões e outro para as mulheres sensuais e gostosonas! E para a sua sorte, esse aqui é o Top 10 Kunoichis (Ninjas Femininas) dos Games! A versão “peluda” logo estará disponível aqui, pelas mãos do meu colega Eduardo Farnezi, aguardem! Enquanto isso confiram abaixo as mais mortais e gostosas ninjas assassinas dos games, qualquer uma delas poderia abrir facilmente sua garganta com as mãos.

*Não sei que critérios o Eduardo vai usar para a sua lista, mas eu levei em conta aqui, além da beleza, as habilidades, qualidade dos games em que aparecem e a sua popularidade no cenário gamer.

(mais…)

Shurikens, ninjas assassinos e um cachorro como parceiro!

shdow-dancer-gens-1

Acabei de assistir a um filme de ninjas (Marcado Para Morrer/The Hunted, com Christopher “Highlander-Raiden-Tarzan” Lambert, se você quiser conferir, eu recomendo) e me deu uma baita vontade de escrever algo sobre o tema, e escolhi para tal um dos maiores clássicos dos 16 Bits e do Mega Drive: Shadow Dancer.

Se você jogador geração “justin biba” tem como referência apenas Ryu Hayabusa quando se fala em games de ninjas, saiba que nos anos 80/90 quem ruleava no manejo da katana, shurikens e ninjitsus era o ninja Joe Musashi, da antológica série Shinobi (e também não é totalmente culpa de vocês, a Sega deixou a franquia meio esquecida mesmo –  o último título, que não fez muito sucesso, foi “Kunoichi“).

(mais…)

O Espírito Ninja 

Você gamer da geração mais nova, ou até mesmo da geração passada, que esperou ansiosamente pelo lançamento exclusivo para o X360 de Ninja Gaiden II, que segundo seu próprio criador, Tomonobu Itagaki, “é o game de ação definitivo”, já pode comemorar o seu lançamento. Ainda bem que isso foi antes de todo aquele rolo entre Itagaki e a Tecmo, que resultou na saída dele da empresa. Portanto até se acertarem, não espere um novo game do ninja tão cedo.

Desde que a nova geração de Ninja Gaiden foi lançada para Xbox em 2004, nascia lá uma pérola dos videogames, uma obra de arte nipônica que marcou uma geração de gamers e fez nascer novos amantes dos videogames e fãs do Xbox, afinal, o jogo era exclusivo para o console. Pintou uma sensação de traição quando foi lançado Ninja Gaiden Sigma para o PS3, lá se foi a exclusividade de um jogo perfeito, mas foi então que surgiu Ninja Gaiden II, para acalmar os fãs. E Itagaki cumpriu a promessa: É outra pérola no mundo dos games.

(mais…)

Se você parou por aqui ou foi movido pela nostalgia ou pela curiosidade, mas seja lá qual for o motivo, você não vai se arrepender. Esses dias enquanto eu jogava Muramasa: The Demon Blade para Wii fiquei com uma p*&¨%  vontade de jogar Strider, do Mega Drive. O estilão 2D de Muramasa instigou minhas células nostálgicas e então fui lá relembrar meus velhos tempos de Strider. Afinal, não foram apenas Joe Musashi e Ryu Hayabusa (da série Shinobi e Ninja Gaiden respectivamente) os únicos ninjas famosos dos games. Como de praxe, vamos antes falar da produção e origem do jogo Strider.
Final dos anos 80, na minha modesta opinião a era de ouro da história dos videogames, um ano antes de fazer sua estreia nos arcades em 1989, pelas competentes mãos da Capcom (ainda sem a gloriosa fama de SF2), Hiryu  (o personagem principal de Strider) apareceu no mangá Strider Hiryu, que mostra de maneira mais profunda a vida do ninja antes dos games. Publicado pela famosa editora Kadokawa Shoten  de maio a outubro de 1988, a série foi desenhada por Tatsumi Wada e escrita por Tetsuo Shiba, artistas não muito conhecidos, em parceria com a Capcom, que estava para lançar um jogo para Nes (o nintendinho 8 bits) baseado no mangá. Porém durante o desenvolvimento do jogo, a Capcom ficou mais ambiciosa e empolgada e tomou a feliz decisão de transferir o projeto para sair em arcades e cancelou a versão nintendinho (que acabou sendo lançada mais tarde, mas o jogo é terrível de ruim). O mangá conta uma história ambientada no futuro, com uma organização de ninjas chamada Strider, que luta pelo bem do mundo.
O arcade foi lançado e se você foi um feliz gamer de “flipers” daquela época deve se lembrar do estrondoso sucesso que Strider fazia, com uma ação frenética, ótimos gráficos e vozes digitalizadas. Porém a versão arcade não era fiel ao mangá e muita coisa na história foi mudada, ficando bem menos desenvolvida, mas apresentava estágios sensacionais, como a fuga de explosivos da Sibéria, salas antigravitacionais e  pasmem, até um T-Rex tecnorgânico na Amazônia. Com o sucesso absurdo, o jogo logo ganhou várias versões para diversos videogames e computadores da época, mas a maioria tudo um lixo. O port para o computador japonês X68000 é tida como a mais perfeita, mas ficou restrito ao Japão e foi no Mega Drive que o jogo se tornou um sucesso a nível mundial. (mais…)

E atenção fãs do Nintendo Wii e nostálgicos dos jogos 2D, foi lançado um JOGAÇO exclusivo para a plataforma que irá agradar a maioria dos gamers. Da mesma produtora do belo Odin Sphere para PS2, chega ao mercado Muramasa: The Demon Blade. Jogos em 2D são coisa rara hoje em dia, e jogos em 2D BONS são mais raros ainda, e felizmente é no segundo grupo que Murasama se enquadra. Você gamer que gastou várias horas da sua vida jogando o bom e clássico Shinobi (não conhece? não lembra? leia aqui nossas análise: The Revenge of Shinobi) no Mega Drive ou Master System, poderá matar as saudades dos ninjas.

A Vanilla Ware, produtora do jogo, fez o que a Sega nunca conseguiu fazer com a sua (então) famosa franquia: criar um BOM jogo de ninjas (ou samurais) para a atual geração de videogames. Lançado em abril de 2009 no Japão, Murasama ficou entre os títulos mais vendidos na época, mas só chegou em setembro aos lares dos gamers do ocidente. Os quatro anos de produção do jogo valeram a pena, pois apresenta um visual maravilhoso 2D desenhado à mão, e ação intensa no melhor estilo clássico, além de apresentar aspectos da cultura, arte, mitologia e tradições nipônicas. Considerado como o sucessor espiritual de Odin Sphere e do Princess Crown (lançado em 1997 para Saturn), você pode joga-lo com o Wii Remote, o controle clássico ou ainda com o controle do Game Cube se você o tiver. (mais…)

– Joe Musashi em um dos melhores games sobre ninja da era 16 Bits –

O Mega Drive teve inúmeros games que caíram nas graças do público e crítica, tornando-se verdadeiros clássicos que serão lembrados por muitos e muitos anos. 1989 foi um ano bom para quem tinha o console da Sega, fomos presenteados com Golden Axe, Mickey Mouse Castle of Illusion  e mais um jogo entraria nesta seleção campeã: Shinobi. A indústria de videogames dava os seus primeiros passos para a era dos 16 Bits da melhor forma possível. A série Shinobi rendeu jogos inesquecíveis para o Mega Drive, como Shadow Dancer e Shinobi 3. Mas foi com o primeiro game que o ninja Joe Musashi ganhou o mundo, The Revenge of Shinobi (ou Super Shinobi no Japão) viria dos arcades para a consagração dos gamemaníacos, no melhor jogo de ninjas que já existiu (esqueçam Ninja Gaiden e Tartarugas Ninja).

Em 1989 o game seria lançado, com uma história inédita dando continuidade às aventuras do ninja que já haviam sido mostrado em outros games para arcade e Master System. Além da ótima qualidade do jogo, tanto visual e sonora, equivalendo-se aos arcades da época, rapidamente virou um grande sucesso e era uma boa razão para se comprar um Mega Drive. Shinobi se tornaria um clássico dos 16 Bits, apresentando gráficos detalhados, personagens de grande tamanho na tela e uma trilha sonora que ficou na história. (mais…)