Arquivo de abril, 2013

yuzo-koshiro

Yuzo Koshiro é um dos grandes nomes da música para videogames. Se você é da época do Mega Drive com certeza deve se lembrar de clássicos como “The Revenge of Shinobi” e “Streets of Rage“, e curiosamente em ambos os jogos, na tela título, possuíam o nome de Yuzo Koshiro, um feito até então inédito na indústria de videogames e até mesmo hoje em dia um privilégio para poucos (eu mesmo me lembro apenas de Nobuo Uematsu com tal privilégio e agora mais recentemente Motoi Sakuraba).

Esse compositor que surpreendeu os proprietários de um Mega Drive (e a própria Sega) foi o primeiro a receber reconhecimento internacional, devido a seu talento único de extrair grandes composições e melodias dos consoles de videogame. Suas músicas eram sempre um diferencial de qualidade para os jogos e com certeza persuadiram muitos gamemaníacos a compra-los apenas para ouvir as fantásticas composições. Saiba aqui tudo sobre esse mestre das trilhas sonoras de games, que virou lenda nos games da Sega, sua vida, sua carreira e seu sumiço.

(mais…)

Anúncios

Metal-Gear-Rising-Revengeance-Logo

Personagem principal de Metal Gear Solid 2: Sons of Liberty, Raiden é provavelmente é o personagem mais odiado de toda a franquia Metal Gear. De maneira inesperada, e até mesmo omitida pela Konami, Raiden “toma” o lugar do eterno Solid Snake no referido game. Isso por si só já seria o suficiente para deixar os fãs mais puristas da série furiosos, entretanto o jeito andrógeno de Raiden fez com que a situação piorasse ainda mais.

O personagem retornou em Metal Gear Solid 4: Guns of the Patriots, mas dessa vez veio para apagar sua má impressão deixada em sua última aparição, bem como tem seu brilho próprio, não “tentando roubar” os holofotes do real protagonista do game, Solid Snake / Old Snake.

As cenas em que Raiden aparece em Guns of the Patriots são todas, sem exceção, de tirar o fôlego. São cenas de ação muito bem coreografadas em que Raiden mostra todas as suas habilidades com uma Katana e um corpo quase todo cibernético, destruindo facilmente inimigos que Snake por certo preferiria evitar.

(mais…)

pitfalltop

O console é o Atari 2600. O ano é o de 1982. O game, nada mais, nada menos, o clássico Pitfall. A verdade é que você que lê esta análise nesse momento, provavelmente sequer estava vivo nessa época. Para os que viveram esse período, eu sei que nesse instante sua alma deve estar até doendo de saudade

Mais simples impossível. Em Pitfall controlamos Pitfall Harry, um aventureiro que entra num ambiente que somente pode ser descrito como uma florestorinto (mistura de floresta com labirinto) para encontrar os 32 tesouros perdidos.

A progressão da aventura é lateral e a floresta se apresenta no televisor sob a forma de diversas telas com obstáculos diferentes a ser ultrapassados. Para tal contamos com a ação de andar para os lados e pular.

(mais…)

Bomberman

Um dos ícones da geração 16 bits, Bomberman atraiu jogadores de todas as idades por seu visual despojado e diversão multiplayer familiar garantida. No Super Nintendo a série teve seus melhores momentos, incluindo o cultuado e raro “Bomberman 5”, que é uma verdadeira orgia de diversão, tanto jogando sozinho, mas em especial no seu modo multiplayer, que permitia que até quatro jogadores se divertissem simultaneamente, mesmo após ser derrotado em campo de batalha. Para a grande maioria o melhor game de Bomberman surgiu em sua versão para Saturn, que permitia fantásticos 10 jogadores se enfrentando na tela. Uma orgia de diversão.

Entretanto, desde então, a série nunca mais conseguiu entrar nos eixos novamente. Com várias versões lançadas para portáteis, para Nintendo 64, para Playstation, Playstation 2 e até mesmo o N-Gage, nenhuma jamais se destacou como as antigas versões supracitadas. Fato esse não injustamente ou sem explicação, tais versões de Bomberman são realmente muito ruins.

Com as possibilidades de games para download da geração atual, eis que a Hudson, produtora do game, tem a óbvia ideia de disponibilizar para compra mais um exemplar de seu renomado mascote. Muita gente já torceria o nariz para isso, afinal faz anos que a Hudson não acerta a mão com Bomberman, mas nem mesmo o gamer mais pessimista poderia imaginar o que a Hudson estaria prestes a fazer na sua nova investida com um game da série.

E graças a isso, aqui estamos nós, com mais uma análise para minha Seção Trash Games, com um game que é tão ruim, mas tão ruim, que fez todos os games Bomberman de Playstation, de Nintendo 64 e afins, parecerem jogos AAA. Eleve o seu Cosmo para sobreviver a Bomberman: Act Zero.

(mais…)